CPTEC/INPE investiga potencial de previsão do início da estação chuvosa em SP

Pesquisadores da Divisão de Operações, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), publicaram trabalho científico investigando o potencial da previsão do início da estação chuvosa em São Paulo.



O trabalho publicado na versão online da revista International Journal of Climatology  apresenta três procedimentos de previsão probabilística para o início da estação chuvosa em São Paulo. O primeiro procedimento empregou um modelo empírico, baseado em dados históricos de chuva da estação meteorológica do IAG/USP, localizada na cidade de São Paulo, e de temperatura da superfície do mar. O segundo utilizou previsões de chuva de um modelo dinâmico global de previsão climática sazonal. O terceiro procedimento aplicou a combinação das previsões geradas pelos modelos empírico e dinâmico. Os resultados obtidos são encorajadores, indicando a viabilidade da produção de previsões da probabilidade do início da estação chuvosa ocorrer mais tarde do que a data climatológica (entre meados de outubro e o início de novembro), quanto tipicamente é observado o início da estação chuvosa em São Paulo.

Durante o desenvolvimento do trabalho foi estudada a relação entre a chuva do período de setembro a novembro (que abrange o período quando a estação chuvosa tem seu início em São Paulo) e a temperatura da superfície do mar do mês de julho antecedente. O resultado desse estudo revelou consistência entre o aumento da temperatura da superfície do mar no Pacífico equatorial leste (na região conhecida como Niño-3) e o aumento das chuvas em São Paulo, assim como entre a diminuição da temperatura do oceano nessa mesma região e a diminuição das chuvas em São Paulo. Este resultado sugere que os mesmos sinais de anomalias de chuva geralmente observados na região sul do Brasil durante a manifestação de eventos de aquecimento (El Niño) e resfriamento (La Niña) no Pacífico equatorial também podem ser observados na porção sul da região sudeste do Brasil onde a cidade de São Paulo esta localizada. As análises revelaram ainda que os eventos de El Niño não somente tendem a aumentar as chuvas em São Paulo, mas também podem contribuir para adiantar o início da estação chuvosa, enquanto que os eventos de La Niña não somente tendem a diminuir as chuvas em São Paulo, mas também podem contribuir para atrasar o início da estação chuvosa.

O trabalho foi realizado em colaboração com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e o centro de previsão climática do Reino Unido (UK Met Office) e pode ser acessado por assinantes da revista no seguinte endereço:

Exploring the feasibility of empirical, dynamical and combined probabilistic rainy season onset forecasts for São Paulo, Brazil

Autores: Caio A. S. Coelho, Mári A. F. Firpo, Aline H. N. Maia, Craig MacLachlan

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/joc.5010/abstract


 Pesquisadores da Divisão de Operações, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), publicaram trabalho científico investigando o potencial da previsão do início da estação chuvosa em São Paulo.

O trabalho publicado na versão online da revista International Journal of Climatology apresenta três procedimentos de previsão probabilística para o início da estação chuvosa em São Paulo. O primeiro procedimento empregou um modelo empírico, baseado em dados históricos de chuva da estação meteorológica do IAG/USP, localizada na cidade de São Paulo, e de temperatura da superfície do mar. O segundo utilizou previsões de chuva de um modelo dinâmico global de previsão climática sazonal. O terceiro procedimento aplicou a combinação das previsões geradas pelos modelos empírico e dinâmico. Os resultados obtidos são encorajadores, indicando a viabilidade da produção de previsões da probabilidade do início da estação chuvosa ocorrer mais tarde do que a data climatológica (entre meados de outubro e o início de novembro), quanto tipicamente é observado o início da estação chuvosa em São Paulo.

Durante o desenvolvimento do trabalho foi estudada a relação entre a chuva do período de setembro a novembro (que abrange o período quando a estação chuvosa tem seu início em São Paulo) e a temperatura da superfície do mar do mês de julho antecedente. O resultado desse estudo revelou consistência entre o aumento da temperatura da superfície do mar no Pacífico equatorial leste (na região conhecida como Niño-3) e o aumento das chuvas em São Paulo, assim como entre a diminuição da temperatura do oceano nessa mesma região e a diminuição das chuvas em São Paulo. Este resultado sugere que os mesmos sinais de anomalias de chuva geralmente observados na região sul do Brasil durante a manifestação de eventos de aquecimento (El Niño) e resfriamento (La Niña) no Pacífico equatorial também podem ser observados na porção sul da região sudeste do Brasil onde a cidade de São Paulo esta localizada. As análises revelaram ainda que os eventos de El Niño não somente tendem a aumentar as chuvas em São Paulo, mas também podem contribuir para adiantar o início da estação chuvosa, enquanto que os eventos de La Niña não somente tendem a diminuir as chuvas em São Paulo, mas também podem contribuir para atrasar o início da estação chuvosa.

O trabalho foi realizado em colaboração com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e o centro de previsão climática do Reino Unido (UK Met Office) e pode ser acessado por assinantes da revista no seguinte endereço:

Exploring the feasibility of empirical, dynamical and combined probabilistic rainy season onset forecasts for São Paulo, Brazil
Autores: Caio A. S. Coelho, Mári A. F. Firpo, Aline H. N. Maia, Craig MacLachlan
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/joc.5010/abstract


Atualizado em 06/06/2017 17:29

Proximo

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos
© Copyright CPTEC/INPE
Comentários e/ou sugestões: Fale Conosco