Chuvas de janeiro em áreas do Brasil

O mês de janeiro costuma ser um mês de muita chuva em áreas das Regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, principalmente pela atuação e persistência da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que se é um fenômeno meteorológico típico deste período do ano e que se trata de uma extensa banda de nebulosidade com orientação noroeste-sudeste com grande potencial para acumulados significativos de chuva nas áreas em que atua.

O volume de chuva acumulado ao longo de todo mês de janeiro na faixa de atuação da ZCAS, ou seja, entre o sudeste e o norte do Brasil foi superior aos 300 mm, conforme mapa de chuvas abaixo. Com relação aos transtornos causados pelas chuvas, neste janeiro de 2012, segundo informações da Defesa Civil, Belo Horizonte foi uma das capitais que mais transtornos tiveram com relação às chuvas, a exemplo de alagamentos, desabamentos e deslizamentos de terra, provocadas principalmente pela atuação de persistência dos canais de umidade, sistemas meteorológicos típicos deste período do ano. O volume de chuva registrado neste mês soma 407 mm de chuva, representando 39% acima da média normal que é de 292 mm. Esta foi a maior quantidade de chuva registrada em janeiro sobre Belo Horizonte desde 2004, quando choveu em torno de 500 mm. Ainda no estado mineiro, em Barbacena, na mesorregião Campo das Vertentes, o volume de chuva foi de 715 mm, correspondendo a 84% acima da média climatológica para o mês de janeiro que fica em torno de 251,9 mm (Inmet). A capital Vitória (ES) acumulou nos primeiros 11 dias de janeiro 268 mm, correspondendo a 124% acima da média climatológica, que fica em torno de 119,4 mm. No RJ, as chuvas neste mês causaram muitos transtornos como inundações, deslizamentos de terra, além de mortos, assim como em MG. A chuva volumosa atingiu áreas da Região Serrana do RJ, a exemplo do volume da chuva acumulado entre o sábado (28/01) e o domingo (29/01), que chegou aos 170 mm em Nova Friburgo (RJ), representando 80% da média climatológica para janeiro. O volume de chuva foi de 130 mm em Macaé (RJ), quantidade esperada para todo janeiro, e de 140 mm em Cambuci (RJ), 80% da média de janeiro.

No Centro-Oeste, a cidade de Goiânia, capital do estado de Goiás recebeu 489,9 mm de chuva ao longo do mês, representando 38% acima da média climatológica. Além de Goiás, a capital federal também está terminando o mês de janeiro com chuva acima da média, com acumulado de chuva de 268 mm, representando 11% acima da média normal. Em Cuiabá, capital de Mato Grosso, choveu 292,2 mm, ou 36% acima do normal. Em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, o volume total de chuva acumulado em janeiro foi de aproximadamente 260 mm, correspondendo a 6% acima da média climatológica.

No norte do Brasil, a combinação de calor, alta umidade e padrão de ventos, além da presença de canais de umidade situação comum neste período do ano no Norte do Brasil, favorecem elevados volumes de chuva, que colocaram conforme a Defesa Civil 7 municípios em situação de emergência devido as fortes chuvas, ao longo do mês de janeiro.

No Sul, apesar do registro de alguns temporais no decorrer do mês de janeiro, boa parte do Rio Grande do Sul termina janeiro com precipitação abaixo do normal. De forma geral, janeiro terminou com chuvas até 200 mm abaixo da média no extremo oeste do RS. Em Uruguaiana, a chuva acumulada em 30 dias foi de 30 mm, sendo 15 mm registrados em apenas 1 dia (24/01), ficando desta forma 81% abaixo da média climatológica. A cidade de Bagé, no sudoeste do RS, uma das áreas mais atingidas pela estiagem ficou com chuvas 81% abaixo da média, com acumulado mensal que chegou aos 20,8 mm, sendo 19 mm acumulados no dia 25/01. Com relação às perdas na cultura da soja estas já superaram os 25%.  No norte do RS, as chuvas estão entre 50 e 100 mm abaixo da média climatológica, assim como em  áreas do centro do Estado. Conforme informações da Defesa Civil estadual na segunda-feira (30/01) o número de cidades que decretaram situação de emergência devido à falta de chuvas era de 332.

Na Região Sul, a chuva acima da média ficou mais concentrada apenas sobre a costa do Rio Grande do Sul, centro e leste de Santa Catarina e boa parte do Paraná.

A Região Nordeste foi a região menos beneficiada com as chuvas, neste mês de janeiro. Grande parte do Estado terminou o mês com precipitação abaixo do normal, preocupando consideravelmente a agricultura. Em algumas áreas os volumes de chuva ficaram até mais de 100 mm abaixo da média normal, a exemplo do centro da Bahia.

Atualizado em 01/02/2012 09:53

Proximo

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos
© Copyright CPTEC/INPE
Comentários e/ou sugestões: Fale Conosco