Fenômeno La Niña enfraquece durante o outono 2012

Os modelos de previsão climática sinalizam a transição do atual fenômeno La Niña para condições de neutralidade na bacia do Pacífico Equatorial em meados de 2012. As atuais condições do oceano e da atmosfera na região equatorial do Pacífico Leste mostram temperaturas superficiais em torno da normalidade, embora a temperatura das águas nas camadas mais profundas deste setor do Pacífico ainda esteja mais que 3°C abaixo dos valor climatológico. Considerando que o declínio do fenômeno La Niña deve ocorrer gradualmente no decorrer do trimestre MAM/2012, a previsão climática de consenso elaborada pelo CPTEC/INPE em conjunto com o INMET e os centros estaduais de Meteorologia, continua apontando para uma maior probabilidade (40%) das chuvas ocorrerem na categoria acima da normal climatológica nos setores central e norte da Região Norte e no norte do Maranhão.

Considerando que as condições oceânicas e atmosféricas no Oceano Atlântico são, em parte, desfavoráveis à ocorrência de chuvas no setor norte do Nordeste, foi mantida a previsão de consenso que indica maior probabilidade (75%) das chuvas ocorrerem entre as categorias normal e abaixo da normal climatológica. Para as demais áreas do Nordeste e na grande área central do Brasil, que inclui as Regiões Sudeste e Centro-Oeste, a previsão aponta para o padrão climatológico, ou seja, igual probabilidade de chuvas para as três categorias (abaixo, normal e acima da normal climatológica). Nestas regiões, podem ocorrer condições de excesso de chuva em áreas isoladas, em função da atuação de sistemas convectivos locais e da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), além de uma possível influência de sinais de oscilações intrassazonais favoráveis ao aumento das chuvas.

No oeste da Região Sul, ainda persiste maior probabilidade das chuvas ocorrerem nas categorias normal e abaixo da normal climatológica no decorrer deste trimestre, em função do enfraquecimento gradual do fenômeno La Niña.

As temperaturas continuam sendo previstas dentro da normalidade para MAM/2012 em todo o País, ressaltando-se as incursões de massas de ar frio esperadas para o final deste trimestre.

A configuração de regiões de convergência de umidade no início de janeiro de 2012 contribuiu para o excesso de chuvas e grandes transtornos à população de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Em algumas localidades, os totais diários de precipitação excederam 100 mm, com destaque para os valores registrados em Cordeiro-RJ (113,7 mm) e Bambuí-MG (103,4 mm), ambos registrados no dia 02. Em Vitória-ES, os 107,8 mm de chuva acumulados no dia 06, ainda estiveram associados à atuação do primeiro episódio de ZCAS. Na cidade de Juiz de Fora, no leste de Minas Gerais, o total mensal de precipitação atingiu 399,2 mm, excedendo em 40% a média histórica. O sistema frontal que atuou no final de janeiro ocasionou chuva e ventos fortes na Região Sul. A massa de ar frio associada causou declínio das temperaturas, com destaque para o temperatura máxima registrada em Urubici-SC, que declinou para 10,9ºC no dia 27.

Informações adicionais sobre as condições oceânicas e atmosféricas globais e a situação da chuva em todo o Brasil podem ser encontradas em http://infoclima1.cptec.inpe.br. As definições dos termos meteorológicos e dos sistemas sinóticos mencionados no texto podem ser encontradas em http://www7.cptec.inpe.br/glossario.

Atualizado em 17/02/2012 14:23

Proximo

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos
© Copyright CPTEC/INPE
Comentários e/ou sugestões: Fale Conosco