Perspectiva de escassez de chuva para o leste do Nordeste

Cachoeira Paulista, 19 de abril de 2013


 A previsão por consenso elaborada pelo CPTEC/INPE em conjunto com o INMET e os centros estaduais de Meteorologia indicou maior probabilidade de chuva na categoria abaixo da normal climatológica (45%), tanto para o leste como para o norte da Região Nordeste do Brasil, durante o trimestre maio a julho de 2013 (MJJ/2013), ressaltando-se que este trimestre corresponde ao período tipicamente mais chuvoso na zona da mata nordestina. Para o leste da Região Nordeste, a previsão ainda indica 35% de probabilidade de ocorrência de chuva na categoria normal e 20% de probabilidade de ocorrência de chuvas na categoria acima da normal. Ainda para o norte da Região Nordeste, a previsão indica 40% de probabilidade de ocorrência de chuvas na categoria normal e 15% de probabilidade de ocorrência de chuvas na categoria acima da normal. Para uma faixa mais central da Região Norte, desde o noroeste do Amazonas até o norte do Tocantins, a previsão indica 35% de probabilidade de ocorrência de chuvas na categoria abaixo da normal, 35% na categoria normal e 30% na categoria acima da normal. Para o extremo norte da Região Norte (que inclui o centro-norte de Roraima), a previsão indica 35% de probabilidade de ocorrência de chuvas na categoria acima da normal, 35% na categoria normal e 30% na categoria abaixo da normal.

Essas previsões para as Regiões Norte e Nordeste do Brasil continuam justificadas pela manutenção do padrão de aquecimento do Atlântico Tropical Norte e condições variando entre normal a ligeiramente abaixo da normal das águas superficiais do Atlântico Tropical Sul. Essas condições oceânicas poderão inibir a atividade convectiva sobre grande parte dessas regiões (exceto no extremo norte de Roraima, onde a atividade convectiva poderá ser fortalecida) e desfavorecer a manifestação de distúrbios no escoamento de leste nas áreas tropicais do Atlântico Sul. Para o oeste da Região Sul, em função da sinalização de uma série de modelos de previsão climática, a categoria mais provável é de chuvas abaixo da normal (40%), seguida pela categoria normal (35%) e pela categoria acima da normal (25%). Nas demais áreas do Brasil, a previsão indica o padrão climatológico, com igual probabilidade de chuva para as três categorias (abaixo da normal, normal e acima da normal).

As temperaturas ainda são previstas entre as categorias normal e acima da normal climatológica para a Região Nordeste no decorrer do trimestre MJJ/2013. Nas demais áreas do País, a previsão indica que as temperaturas podem se situar em torno da faixa normal, com exceção da Região Sul e parte do sul das Regiões Sudeste e Centro-Oeste, onde poderá ocorrer queda acentuada das temperaturas em função da entrada de massas de ar frio em alguns períodos. Também são esperadas, no decorrer deste trimestre, incursões de massas de ar frio que costumam favorecer a ocorrência de episódios de friagem no oeste da Região Centro-Oeste e no sul da Região Norte.

A manutenção de águas superficiais mais aquecidas no Atlântico Tropical Norte deverá favorecer a permanência da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) ao norte de sua posição climatológica, podendo indicar o término antecipado do principal período chuvoso para o norte da Região Nordeste. Na região do Pacífico Tropical, as condições ainda são de neutralidade em relação ao desenvolvimento do fenômeno El Niño-Oscilação Sul (ENOS). Por outro lado, sinais de variabilidade intrassazonal permanecem bem marcados nos oceanos Índico e Pacífico e poderão continuar interferindo na ocorrência de chuvas sobre as Regiões Nordeste e Sudeste do Brasil no decorrer deste próximo trimestre.

A formação de um longo episódio de Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) contribuiu para que as chuvas ocorressem acima da média climatológica em grande parte do Brasil, no decorrer da segunda quinzena de março de 2013, com destaque para as chuvas mais acentuadas no norte do Mato Grosso. Na Região Norte, o excesso de chuva foi associado à configuração da Alta da Bolívia e, em alguns dias, à formação de Linhas de Instabilidade (LIs) ao longo da costa. Os maiores acumulados diários de precipitação foram registrados em Macapá-AP (138,4 mm, no dia 23), Matupá-MT (163 mm, no dia 24) e na cidade de Soure-PA (161,7 mm, no dia 20; 158,4 mm, no dia 31), segundo dados do INMET.

Informações adicionais sobre as condições oceânicas e atmosféricas globais e a situação da chuva em todo o Brasil serão disponibilizadas no endereço http://infoclima1.cptec.inpe.br.

Nota: A imagem mostrada por ser acessada através do link http://clima1.cptec.inpe.br/~rclima1/global/osc3060_se.shtml.

Atualizado em 19/04/2013 15:14

Proximo

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos
© Copyright CPTEC/INPE
Comentários e/ou sugestões: Fale Conosco