CPTEC divulga nota sobre a tempestade em Cachoeira Paulista
Na noite da quinta-feira (06/11/2008), mais especificamente entre às 20h e 20h30, a cidade de Cachoeira Paulista no Vale do Paraíba (SP) sofreu os efeitos de um intenso temporal. Este fenômeno teve associadas chuvas intensas e fortes ventos, sendo que o impacto maior foi provocado pelos ventos intensos. Em várias áreas da cidade de Cachoeira Paulista, as rajadas de vento ultrapassaram os 100 Km/h, por exemplo, na estação automática do INPE foi registrada a velocidade de 132 Km/ h (média de 30 minutos). Pelos danos causados na cidade a velocidade do vento pode ter sido ainda maior. Em Cachoeira Paulista, as fortes rajadas de vento derrubaram dezenas de árvores e várias delas foram arrancadas pela força do vento, algumas com cerca de 1m de diâmetro de caule. Centenas de casas foram destelhadas, muros, parabólicas e placas de propaganda foram derrubados. As chuvas acompanhadas dos ventos intensos alagaram ruas, casas e apartamentos. Postes de energia elétrica tombaram e uma torre metálica de telefonia celular foi derrubada destruindo a cobertura de um clube da cidade. Houve interrupção no fornecimento de energia, moradores ficaram desabrigados e desalojados. Os prejuízos e os transtornos na cidade foram grandes. Devidos aos grandes impactos, a cidade decretou o estado de calamidade pública.


O tempo severo foi provocado por um intenso Sistema Convectivo de Mesoescala (SCM) que afetou várias localidades do Vale do Paraíba, principalmente aquelas compreendidas no Vale Histórico. Porém, a cidade de Cachoeira Paulista foi a mais castigada da região. Segundo a distribuição espacial dos danos provocados pela tempestade e, através dos relatos dos moradores, o fenômeno durou apenas 30 minutos, deslocou-se, preferencialmente, de sudoeste a nordeste e afetou, principalmente, os bairros da cidade correspondente à margem direita do rio Paraíba. Apesar da intensidade do vento e do grande impacto causado pelo mesmo, não há confirmação da atuação de um tornado. A análise das imagens do radar de São Roque, em São Paulo, identificou esse sistema convectivo como uma linha de instabilidade que avançou sobre o Vale do Paraíba, sendo que durante o dia veio se deslocando desde o Estado do PR. Às 16 h da tarde do dia 6, segundo o radar de São Roque, essa linha se estendia desde Santos até Campinas. A linha foi se deslocando para leste/nordeste, chegando a São José dos Campos às 18h e a Guaratinguetá às 20h. Na chegada a Cachoeira Paulista sofreu uma súbita intensificação que levou aos eventos devastadores observados.

Os SCM são caracterizados por apresentar aglomerados organizados de nuvens de grande desenvolvimento vertical, cuja espessura pode ultrapassar os 10 Km. Essas nuvens têm associadas chuvas fortes, intensas rajadas de vento, descargas elétricas e ocasional queda de granizo. As fortes rajadas de vento descem de maneira intensa desde o interior da nuvem e quando tocam a superfície do solo se espalham de maneira horizontal provocando destroços de variada intensidade. Os SCM passam por períodos de menor intensidade seguidos por intensificações rápidas e localizadas como a observada no caso de Cachoeira Paulista.

Neste tipo de fenômeno, é bastante comum as rajadas de vento apresentarem uma distribuição bastante irregular em termos de espaço e tempo. Devido a esta característica, a utilização de ferramentas clássicas de previsão de tempo faz com que a previsibilidade deste tipo de fenômeno seja baixa. Porém, através de radares meteorológicos é possível determinar um prognóstico a curto prazo (nowcasting) e com boa confiabilidade.

Uma característica particular das rajadas de vento associadas aos SCM é que podem ser muito intensas numa área com poucas dezenas de metros de largura por algumas centenas de metros de comprimento, como as que foram observadas em Cachoeira Paulista e arredores da cidade. O barulho estrondoso típico associado a esses ventos fez com que recebessem o nome de micro-explosão, tradução do termo em inglês de ?micro-burst?. Os ventos desse fenômeno podem ser tão intensos como o de um tornado mas, diferentemente deste sopram em uma única direção. Pode-se observar em plantações de eucaliptus em Cachoeira Paulista que as árvores foram quebradas ou inclinadas todas para um mesmo lado, o que caracteriza a micro-explosão. O tornado deixa uma assinatura de torção que não foi observada nesse caso.

A situação meteorológico que deu origem a este fenômeno meteorológico esteve caracterizada pela presença de uma massa de ar quente e muito úmida que prevaleceu sobre grande parte do Estado de São Paulo desde o início dessa semana. Vale ressaltar que, a cidade de Resende (RJ) pertencente à região do Vale do Paraíba, também sofreu as conseqüências de um intenso temporal ocorrido na terça-feira 04, dois dias antes do fenômeno acontecido em Cachoeira Paulista.


As temperaturas máximas observadas sobre grande parte do cone leste de SP, incluindo o Vale do Paraíba oscilaram entre 27o e 30o C, tanto que as temperaturas de ponto de orvalho estiveram próximas dos 20o C.

A circulação atmosférica desse dia mostrava a presença de um cavado não muito amplificado, porém bastante intenso, cujo eixo se estendia desde o oeste do Paraguai até o noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (RS). A presença deste sistema de baixa pressão na troposfera média favorecia a constante advecção de vorticidade ciclônica sobre grande parte do Estado de SP, fazendo com que a pressão em superfície diminuísse de maneira constante. Desta forma, a queda de pressão em superfície favorecia a convergência de massa nas camadas baixas da atmosfera e, em conseqüência, a geração de um intenso movimento ascendente em toda a coluna atmosférica. Por outro lado, em altitude o fluxo difluente sobre grande parte deste Estado gerava forte divergência sobre todo o Estado, incluindo a região do Vale do Paraíba. Esta divergência intensifica ainda mais a convergência em superfície e em conseqüência o mecanismo de levantamento. O forte levantamento combinado com a presença de uma massa quente e muito úmida deu origem aos sistemas convectivos descritos anteriormente.

O Grupo de Previsão de Tempo (GPT) do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) alertou à população sobre a ocorrência de temporais localizados sobre grande parte do Vale do Paraíba. Este aviso meteorológico foi enviado com dois dias de antecedência e com atualizações periódicas até o dia de ocorrência do fenômeno. Os avisos meteorológicos emitidos não especificavam de maneira pontual e detalhada as áreas mais propícias a serem afetadas por este fenômeno severo devido à dificuldade ressaltada anteriormente.



GRUPO DE PREVISÃO DE TEMPO (GPT)
CPTEC / INPE
Atualizado em 14/11/2008 17:07

Proximo

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos
© Copyright CPTEC/INPE
Comentários e/ou sugestões: Fale Conosco